You are using an outdated browser. For a faster, safer browsing experience, upgrade for free today.

O dia que o São Luiz parou a seleção brasileira


Dizem que recordar é viver não é mesmo? Por isso, vamos relembrar um dos maiores feitos da história do nosso guerreiro Alvirrubro. 

Fazer uma viagem ao túnel do tempo e resgatarmos as memórias que vivenciamos juntos. Quem não recorda aquele time com Jânio, Negrini, Betinho e companhia? 
 
Era julho de 1991, quando a equipe comandada por Cassiá Carpes parava simplesmente a Seleção Brasileira – que viria a ser tetracampeã do mundo em 1994 – no Estádio Beira-Rio em Porto Alegre. 
Se o futebol une a nossa gente sempre na mesma emoção, essa é daquelas que ficam eternizadas para sempre na memória e no coração. 
 
A Seleção Brasileira se preparava em solo gaúcho, terra do então técnico Paulo Roberto Falcão, para disputar a Copa América – sediada no Equador. No elenco, nomes como Taffarel, Cafu, Renato Gaúcho, Branco, Mauro Silva e outros jogadores que foram campeões mundiais em 1994.
O Esporte Clube São Luiz vinha com Jânio, Polaco, Caçula, Newmar e Kiko; João Luiz (Nélson), Betinho, Negrini e Solis; Café (Ari) e Edmundo.
 
Betinho, o camisa 10 e um dos eternos ídolos do Rubro relembra essa história: 
“O jogo era naturalmente muito difícil, a Seleção Brasileira estava iniciando a montagem da equipe que futuramente foi campeã do mundo em 1994. O jogo em si, foi muito pegado, a Seleção logicamente dominava a maior parte do tempo, mas o São Luiz aguerrido, estava com muita determinação, uma defesa boa, e o meio campo controlando o jogo”, conta. 
 
Na época, a Seleção Brasileira estava treinando no Estádio Beira-Rio e precisava de times para fazer amistosos em preparação para a Copa América e a Federação Gaúcha de Futebol escolheu a equipe do São Luiz de Ijuí, devido ao seu destaque em território estadual ganhando muitos jogos, inclusive da dupla Grenal. 
 
Betinho conta que a torcida passou a apoiar o São Luiz, o que foi um fato inédito. “A torcida passou a torcer por nós, e isso ficou marcado, pois uma equipe do interior do Estado empatar com a Seleção Brasileira é um momento único e tive o prazer de participar, jogamos uma grande partida”, destaca. 
 
O eterno camisa 10 do Rubro, nascido em frente ao Estádio 19 de Outubro, realizou o sonho de vestir as cores vermelho e branco por muitos anos, sendo responsável por inúmeras alegrias à torcida alvirrubra. “Sou ijuiense, nasci na frente do estádio, atrás da arquibancada geral, joguei por vários anos no São Luiz que era um sonho, fiz muitos gols, que me colocaram como o melhor jogador de todos os tempos do clube, além disso, estou na calçada da fama com muita honra e me sinto muito orgulhoso em ser ídolo deste time que torço muito”, finaliza Betinho. 
 
Já Caçula, capitão do São Luiz em 1991,  revela que o Rubro ficou conhecido nacionalmente após este amistoso com a Seleção e firmou-se como uma das grandes equipes do Estado. Além disso, o jogador conta que a expectativa de enfrentar a Seleção era muito boa, pois dava visibilidade nacional a todos os atletas, levando em consideração que a imprensa de todo o país acompanha a Seleção Brasileira.
“Me senti lisonjeado e gratificado em participar de um jogo em que o São Luiz enfrentou a Seleção Brasileira e obteve um empate, inclusive com chances de ter conquistado a vitória, e também por ter o privilégio de ser o capitão da equipe na época”, destaca. 
 
Essa história realizada por aquele grande time do São Luiz é lembrada também e contada com muita saudade pelo técnico que comandou a equipe neste jogo, Cassiá Carpes. O treinador ressalta que aquele empate no Beira-Rio foi um momento histórico, e que o São Luiz foi o único time do interior a empatar com a Seleção Brasileira de Paulo Roberto Falcão.   
 
O time veio para coroar a trajetória de 1991 e que ficou famoso na história da imprensa gaúcha. O comandante relembra ainda o orgulho que o São Luiz representa para a comunidade de Ijuí. “Eu tenho muito orgulho de ter comandado aquele time, esse feito inédito deve ser comemorado e não pode ser esquecido pela sua comunidade, deste modo, parabenizo sempre aos atletas e dirigentes, pois foi um momento ímpar na história de todos nós”, conta Carpes.
 
Então há quase 30 anos, a equipe de Ijuí, comandada por Cassiá Carpes, empatava em 0 a 0 com o Brasil do técnico Falcão. E o registro deste jogo histórico para o torcedor Rubro se encontra ao lado de fotos de times que marcaram a história do São Luiz, ilustrado em uma reportagem do jornal Zero Hora que está na parede da Secretaria do clube, embaixo do pavilhão social do estádio 19 de Outubro. 
 
O nosso glorioso São Luiz, time de feitos históricos, cheio de momentos inesquecíveis, segue sempre a trilhar vitória e pujança.
 
 

Esta foi a formação do São Luiz na sua volta (no dia 02.02.1986). O Retorno do glorioso São Luiz aos gramados em 1986

 

 

 

 

 

 

A saga dos guerreiros Alvirrubros na conquista do titulo do interior em 2013

 

 

 

 

 

 

Relembre a história do Lucas, A Cara do Gauchão

 

 

Pos
Time
J
V
E
D
S
P:9
Patrocínio